Dica da Semana – Mentes perigosas- O psicopata mora ao lado

“Nem todo psicopata é um criminoso, nem todo criminoso é um psicopata” É essa é uma das conclusões que se chega ao ler o livro da Dra. Ana Beatriz Barbosa Silva: Mentes perigosas o psicopata mora ao lado.

É um livro muito interessante, realmente vale a pena ler, por isso, indico e recomendo. Boa leitura!!!!

Sinopse

“Frios, manipuladores, cruéis e destituídos de compaixão, culpa ou remorso. Utilizam-se de seu charme  e de sua inteligência para impressionar, seduzir e enganar quem atrevessa o seu caminho. Estão camuflados de executivos bem sucedidos, bons políticos, bons amigos, pais e mães de família, e não costuman levantar suspeitas sobre quem realmente são.

Estes são os psicopatas e quando pensamos em um deles, logo imaginamos um sujeito violento, com aparência de assassino e que pode ser reconhecido em qualquer lugar.  Não é tão simples quanto se pensa. A maioria nunca vai chegar ao extremo de cometer um assassinato e se passa por pessoa “comum”. Entre homens e mulheres, 4% da população apresentam esse lado sombrio da mente.

A Doutora Ana Beatriz Barbosa Silva nos esclarece que os psicopatas são indivíduos que podem ser encontrados em todos os segmentos da sociedade. Neste livro você vai saber um pouco mais sobre esse intrigante universo e aprender a reconhecer aqueles que vivem entre nós, se parecem fisicamente conosco, mas definitivamente não são como nós”.

Mentes perigosas o psicopata

Deixe um comentário

Arquivado em Recursos Humanos

O profissional metamorfose ambulante

By Sirlene Gomes

 

Acredito que todos conhecem a famosa música de Raul Seixas: Metamorfose Ambulante. Essas duas palavras causam impacto. Arrisco-me em dizer que é por isso que é tão conhecida, mesmo sendo um sucesso da década de 70. Ela traz a idéia de transformação, de que devemos sair do nosso local para tentarmos algo novo e que não há nada de errado se mudarmos  de opinião.

Tantas coisas se transformam, mudam, e o profissional também precisa disso. O mercado é sempre muito competitivo e instável, as organizações necessitam de profissionais inovadores, que são aqueles com uma visão de novas tendências e que observando a realidade das pessoas, criam um produto inovador.

Como um grande exemplo de inovação, podemos observar o Cirque Du Soleil, pois surgiu em um setor decadente, onde o público do circo era cada vez menor, perdendo espaço para outras formas de entretenimento como os espetáculos urbanos ao vivo, eventos esportivos e diversões domésticas.

Para inovar, o Cirque Du Soleil criou um circo com mais diversão, vibração, e ao mesmo tempo com a sofisticação intelectual e a riqueza artística do teatro. Ao contrário dos espetáculos circenses tradicionais, com uma série de atos desconectados, cada criação do Cirque Du Soleil tem um tema, um enredo com própria trilha sonora e música ao vivo. Eles reinventaram o circo, enxergaram as novas tendências, perceberam que perdiam espaço para outros tipos de entretenimento, e conseguiram conquistar não só os clientes infantis, mas também os não-clientes de circo: adultos freqüentadores de teatro.

Só conseguiram a transformação de um circo comum em Cirque Du Soleil, porque não ficaram com aquela “velha opinião formada sobre tudo”. Perceberam quais as mudanças necessárias para atrair um novo público. Portanto, para ser inovador tem que ser um profissional metamorfose ambulante.

 

Quem gostou do artigo e do blog e quiser receber atualizações é só clicar em seguir no botão do lado direito.

 

Bibliografia

A informação do Cirque Du Soleil:

KIM, W.Chan; MAUBORGNE, Renée. A estratégia do oceano azul: como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2005.

5 Comentários

Arquivado em Recursos Humanos

A dignidade da pessoa humana

By Sirlene Gomes

Segundo Ingo Wolfgang Sarlet a dignidade da pessoa humana “ [...] é a  qualidade intrínseca e distintiva de cada ser humano que o faz merecedor do mesmo respeito e consideração por parte do Estado e da comunidade, implicando, neste sentido, um complexo de direitos e deveres fundamentais que asseguram a pessoa tanto contra todo e qualquer ato de cunho degradante e desumano, como venham a lhe garantir as condições existenciais mínimas para uma vida saudável, além de propiciar e promover sua participação ativa e co-responsável nos destinos da própria existência e da vida em comunhão com os demais seres humanos”.

Falando de uma maneira mais simplificada,  o Estado deve propiciar condições  mínimas para que as pessoas tenham uma vida digna, que é por  meio da alimentação, saúde, trabalho, lazer e educação. A dignidade da pessoa humana é tão importante que é um dos fundamentos da nossa Constituição Federal:

Art. 1º. A República Federativa do Brasil, formada pela União indissolúvel dos Estado e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

I – a soberania;

II – a cidadania;

III -  a dignidade da pessoa;

IV – os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa

A forma prática de aplicação para propiciar uma vida digna encontra-se também na Constituição, são os direitos sociais:

Art. 6º . São direitos sociais a educação, a saúde,  a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção a maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Contituição.

O Estado nem sempre consegue proporcionar essas circunstâncias mínimas para que as pessoas tenham essa dignidade, por isso,  existem algumas medidas efetivas para que elas possam se utilizar desses direitos assegurados. Por exemplo: uma pessoa que necessita urgente de um tratamento de saúde, mas não há mais vaga no hospital, então aquele cidadão poderá impetrar um mandado de segurança que é um dos remédios contitucionais para conseguir realizar seu tratamento.

O ideal seria que ninguém necessitasse dessas medidas efetivas (desses remédios constitucionais)  para conseguir se utilizar de um direito que é inerente ao ser humano, mas ainda não somos evoluídos, ainda não aprendemos sequer, todos os nossos direitos e deveres, não aprendemos a cobrar dos nossos políticos, suas verdadeiras obrigações, talvez um dia, aprenderemos e dessa forma,  todos realmente terão dignidade.

Bibliografia

http://www.youtube.com/watch?v=BxHjE8P-yC0, acessado em 19.10.2013.

http://www.youtube.com/results?search_query=dignidade+da+pessoa+humana+e+remedios+constitucionais, acessado em 19.10.2013

http://pt.wikipedia.org/wiki/Princ%C3%ADpio_da_dignidade_da_pessoa_humana, acessado em 20.10.2013.

Deixe um comentário

Arquivado em Direito, Uncategorized

Dica da semana – O preço do amanhã

A dica da semana é o filme O preço do amanhã, já está nas locadoras há algum tempo. Eu assisti e gostei muito. Sabe quando falamos que tempo é dinheiro? que poderíamos descobrir a fórmula da juventude? que poderíamos viver para sempre?
Esse filme retrata essas questões e nos faz refletir. Assistam!!!!

Deixe um comentário

18/10/2013 · 00:25

A magia de ser criança

By Sirlene Gomes

Há uma passagem na Bíblia em que Jesus diz “deixai vir a mim as criancinhas e não as impeçais, porque delas é o reino dos céus”. Essa frase precisa ser interpretada, pois todos sabemos, que ser como criança, é ter pureza, é não ter maldade, não guardar rancor, mas eu acredito que não é só isso.
Em regra, as crianças não se limitam como os adultos, quando se interessam por algo, aprendem não importa o quanto seja difícil, para elas, não existe nada que não possa ser realizado, alegram-se com um passeio, com um nova atividade, estão sempre cheias de energia, com bom humor e um sorriso inocente. Elas são felizes, não é necessário grandes acontecimentos, bastam as coisas simples da vida.
Essas características são muito interessantes, porém com o passar do tempo, nos tornamos adultos e deixamos de lado essa simplicidade, essa alegria, nos tornamos cada vez mais limitados. Isso tem um reflexo não apenas na nossa vida pessoal, mas também no ambiente de trabalho.
O profissional com essas características, é aquele que gosta de aprender e nunca diz que não consegue fazer algo, está sempre de bem com a vida, sempre disposto à realizar uma nova atividade. Assim como as crianças, deveríamos sempre multiplicar nossos talentos, mas vivemos num mundo tão corrido, que ficamos preocupados apenas em sobreviver, e dessa maneira vamos esquecendo a cada dia, daquela criança que existiu, aquela que brincava, pulava, se divertia enquanto aprendia e estava sempre entusiasmada.
Jesus nos ensinou que ser como criança é muito importante, por isso, é necessário mantermos essas características, essa magia, uma parte de nós ainda precisa ser aquela criança feliz.

1 Comentário

Arquivado em Recursos Humanos

Dica da semana

Queridos seguidores,

Uma vez por semana pretendo compartilhar algo que eu considero importante: pode ser um filme, um livro, uma revista ou um passeio. Essa semana vou começar indicando uma revista da editora Abril: Atualidades – Vestibular+Enem.É uma revista semestral e é muito interessante. É ótima para quem deseja se atualizar, pois com a correria do dia a dia, acabamos vendo as notícias superficialmente.
Essa foi a dica da semana.

Abraços

20131008_230708

Deixe um comentário

09/10/2013 · 00:11

Rescisão indireta

By  Sirlene Gomes

 

Quando um empregado trabalha em um ambiente de trabalho ruim e que não gosta, ser dispensado pode ser a melhor notícia que poderia receber, pois ele irá receber a devida indenização: aviso prévio (correspondente a um mês do salário), saldo de salário, 3 dias por ano de serviço prestado na mesma empresa,  conforme lei 12.506/2011,  13º salário, 13º salário indenizado (corresponde a 1/12 avos), férias vencidas (se tiver), férias proporcionais, 1/3 sobre as férias, tem direito de sacar o FGTS e ainda  é calculado 40% sobre o valor depositado  e poderá receber o seguro desemprego, tendo assim tempo para uma recolocação no mercado.

O complicado é quando o empregado passa por situações insustentáveis em seu ambiente de trabalho, não é demitido e não pode pedir demissão, porque comprometeria sua subsistência e de sua família, tendo direito apenas a seguinte indenização: saldo dos dias trabalhados, férias vencidas (se tiver), férias proporcionais, 13º salário. Nesse cálculo não há 1/3 indenizado das férias nem 1/12 avos indenizados do 13º salário, o empregador pode descontar o aviso prévio (que equivale a um mês de salário), não pode sacar o FGTS e por último, não terá direito ao seguro desemprego. Em média, um trabalhador fica de quatro a seis meses para conseguir um novo emprego. Por esses motivos, é tão difícil para o trabalhador tomar essa iniciativa de pedir demissão.

A Rescisão indireta, que é o término de contrato de trabalho por justa causa por parte do trabalhador, pode ser a solução para esse problema, desde que decorra de alguma falta grave cometida pelo empregador. Esses motivos estão previstos na consolidação das leis Trabalhistas (CLT):

Artigo 483. O empregado poderá considerar rescindido o contrato e pleitear a devida indenização quando:

a)    forem exigidos serviços superiores ás suas forças, defesos por lei, contrários aos bons costumes, ou alheios ao contrato;

b)    for tratado pelo empregador ou por seus superiores hierárquicos com rigor excessivo;

c)    Correr perigo manifesto de mal considerável;

d)    não cumprir o empregador as obrigações do contrato;

e)    praticar o empregador ou seus prepostos, contra ele ou pessoas de sua família, ato lesivo da honra e boa fama;

f)     o empregador ou seus prepostos ofenderem-no fisicamente, salvo em caso de legítima defesa, própria ou de outrem;

g)    o empregador reduzir o seu trabalho, sendo este por peça ou tarefa, de forma a afetar a importância dos salários.

Comentários aos motivos previstos no artigo 483

Lendo o caput do artigo, parece que é fácil para o trabalhador rescindir o contrato de trabalho, mas não é. A rescisão indireta ocorre mediante processo de reclamação trabalhista. Além de pleitear a indenização correspondente, dependendo da situação, pode-se pedir também, os danos morais. Se o Juiz julgar procedente a ação, o trabalhador receberá a indenização como se tivesse sido dispensado.

Dos motivos descritos no artigo, os que ocorrem com mais frequência é o da alínea “d”, como exemplo: é o empregador que atrasa o pagamento salarial reiteradas vezes (1), que deixa de depositar o FGTS (2), pois “embora não represente prejuízo direto ao salário mensal do empregado, inviabiliza seu levantamento pelas mais diversas situações previstas em lei, independentemente de rescisão contratual, causando prejuízo ao obreiro a falta de seu recolhimento no curso do pacto laboral. Além disso, o Fundo de Garantia, considerada a globalidade de seus valores, constitui importante fundo social dirigido a viabilizar, financeiramente, “a execução de programas de habitação popular, saneamento básico, e infraestrutura urbana” (art. 6º, IV, VI e VII; art. 9º, § 2º, Lei nº 8.036/90), causando, por conseguinte, a ausência de seu recolhimento, enorme prejuízo a toda coletividade. Recurso de revista provido. (TST – RR nº 1262/2008-139-03-40.2 – 6ª Turma – Rel. Mauricio Godinho Delgado – DEJT 26.11.2009, unânime).

Outro motivo que ocorre com frequência é a hipótese da alínea “e”como exemplo: é o assédio moral, é o tratamento ofensivo, humilhante contra o empregado (3).

 

Para finalizar

Para que a rescisão indireta seja julgada procedente, o Juiz leva em consideração alguns requisitos: ônus da prova cabe ao trabalhador, ou seja, é ele quem deve provar que existiu a falta grave por parte do empregador, a ponto de tornar insustentável a continuidade da relação de emprego. É necessário que exista a imediatidade, que seja pleiteada a rescisão indireta logo após a falta grave do empregador, pois existindo a demora, pode haver o perdão tácito por parte do trabalhador.

Claro que há controvérsia no âmbito trabalhista, a questão da imediatidade por exemplo: o que seria uma demora? Pois muitas vezes o empregado suporta uma situação difícil porque não pode no momento, deixar de prover seu próprio sustento e o de sua família. A questão do FGTS também é controversa, pois algumas decisões desfavoráveis ao trabalhador são justificadas da seguinte maneira: o trabalhador não sofre prejuízo continuando o vínculo empregatício, não se torna insustentável essa relação, a ausência de depósito pode ser resolvida a qualquer momento ou quando o empregado for dispensado (4).

Esse assunto é complexo, tudo depende da gravidade da situação. O que foi apresentado nesse texto é uma prévia introdução e merece uma atenção especial, um estudo mais aprofundado.

Bibliografia

Jurisprudências

(1)   Ementa:
RECSISÃO INDIRETA. ATRASOS EM PAGAMENTO. A rescisão indireta alegada ocorre quando o empregador não cumpre o contrato, observando-se as hipóteses fáticas previstas no art. 483 da CLT. No caso, restou comprovado que o Reclamante tinha constantemente atrasados os pagamentos de seus salários que, frise-se, possuem inegável natureza alimentar, pois servem de sustento ao obreiro e sua família (vide fls. 13/37). Entende-se que o drama mensal experimentado pelo Reclamante não pode ser considerado um mero aborrecimento. Tais motivos permitem a anulação do pedido de demissão e aplicação do disposto no artigo 483 da CLT. A sentença não reconheceu a rescisão indireta, sob o fundamento de que o pedido de demissão ocorreu por iniciativa do Reclamante. Contudo, diante de tudo que consta dos autos, restou demonstrado que o empregador cometeu falta grave, descumprindo obrigações do contrato de trabalho, caracterizando, assim, a rescisão indireta do contrato, pois não restou outra alternativa ao Reclamante senão a busca de outra colocação profissional em empresa que cumpra suas obrigações trabalhistas. Deferem-se, consoante solicitado à fl 06: entrega de guias para levantamento do FGTS e seguro desemprego. Acolhe-se o apelo. (TRT 2 SP – Recurso ordinário; Acórdão nº  20130623789 ; Data publicação: 27.06.2013;  – 14º Turma – Relator: Francisco Ferreira Jorge neto).

 (2)   Ementa:

 AUSÊNCIA DO RECOLHIMENTO DO FGTS. RESCISÃO INDIRETA CONFIGURADA. O não recolhimento escorreito do FGTS à conta vinculada do trabalhador implica, por si só, falta grave patronal a autorizar a decretação da rescisão indireta, nos termos do art. 483, “d”, da CLT. Recurso obreiro provido. (TRT2 SP; Recurso ordinário; Acórdão nº 20130860012; Data publicação: 23.08.2013; 4º Turma; Relatora: Maria Isabel Cueva Moraes)

(3)   Ementa:

Rescisão contratual por justa causa patronal. Descumprimento de obrigações contratuais pelo empregador e assedio moral. Inteligência do artigo 483 alineas “d” e “e”, da CLT. De acordo com o artigo 483, “d” e “e”, da CLT, há rescisão indireta do contrato de trabalho em caso de descumprimento, pelo “empregador as obrigações do contrato” bem como, pela pratica de ato lesivo a honra e boa fama do empregado, evidenciado pelo não recolhimento do FGTS por 10 meses, aliado ao assedio moral, com tratamento ofensivo e discriminatório em razão da idade, tem-se por não cumprida obrigação legal, apta a ensejar a extinção do contrato por culpa do empregador. (TRT2 SP; Recurso ordinário; Acórdão nº 20120724043; Data publicação: 06.07.2012; 4º Turma; Relatora: Ivani Contini Bramante).

(4)   Ementa:

RESCISÃO INDIRETA. IRREGULARIDADE DOS DEPÓSITOS DO FGTS. CIRSCUNSTÂNCIA QUE, POR SI SÓ, NÃO RATIFICA O RECONHECIMENTO DE FALTA GRAVE DO EMPREGADOR. A constatação de irregularidade nos depósitos do FGTS não ratifica, por si só, a aplicação da justa causa prevista no art. 483, d, da CLT ao empregador, notadamente quando se vislumbra nos autos a ausência da imediatidade necessária à sua aplicação; que o autor não sofreu prejuízos no pacto laboral decorrentes da aludida irregularidade; que a manutenção do vínculo de emprego não se tornou insustentável; bem como porque o direito de ação garantido no ordenamento jurídico possibilita ao trabalhador que os depósitos do FGTS na sua conta vinculada sejam regularizados – fato este inclusive ocorrido na espécie, haja vista a condenação da reclamada ao pagamento de diferenças com juros e correção monetária. (TRT2 SP ; Recurso Ordinário; Acórdão nº 20130227670; Data publicação: 19.03.2013; 11º Turma; Relator: Sérgio Roberto Rodrigues)

5 Comentários

Arquivado em Direito